Notícias e Artigos

27/06/2013 22:44

APLICAÇÃO DA BAROPODOMETRIA NA AVALIAÇÃO DA CORRELAÇÃO ENTRE OS TIPOS DE PÉS E A INCIDÊNCIA DE LESÕES NOS JOELHOS

O equilíbrio é definido em duas formas: estática e dinâmica. Os equilíbrios estáticos e dinâmicos são mantidos pelo sistema vestibular (labirinto, nervos cocleares, núcleos, vias e inter-relação no sistema nervoso central), visual e proprioceptivo, sendo que os receptores sensoriais são localizados em articulações, músculos e tendões (HORAK; SHUPERT, 1994; LEE, 2001).

Uma das tarefas mais importantes do controle postural humano é a do equilíbrio do corpo sobre a base de apoio fornecida pelos pés. O sistema podal é uma ferramenta importante do sistema nervoso central (SNC) no controle da postura. Ele é ao mesmo tempo um sistema sensorial e motor. O SNC usa essas informações combinadas com as informações fornecidas por outros sistemas sensoriais, para construir uma imagem (representação interna) da posição e do movimento do corpo todo e do ambiente que o cerca. O SNC utiliza as vias motoras ascendentes, que recebem informações podais, para controlar as posições dos pés e do corpo e para coordenar os movimentos posturais em relação ao meio externo (HORAK; SHUPERT, 2002).

O pé é uma estrutura que está em contato com o solo e controla a distribuição da pressão plantar, o apoio, a absorção de impacto, o equilíbrio, o impulso, suporta o peso e ajusta a postura na posição ereta (BRICOT, 2004; GAGEY; WEBER, 2000). 

O controle postural e a habilidade de manter o equilíbrio na posição ortostática dependem das interações do sistema sensorial e da biomecânica do sistema músculo-esquelético (HORAK, 1997). Distúrbios em um ou mais destes sistemas podem ocasionar alteração no equilíbrio. O sistema proprioceptivo descreve a consciência de postura, do movimento e das mudanças no equilíbrio. É uma variação especializada da modalidade sensorial do tato e engloba as sensações de movimento (cinestesia) e de posição (sentido de posição articular) articulares (ANDREWS, HARRELSON ; WILK, 2000).

O SNC necessita de um conjunto de informações precisas e harmoniosas para organizar e processar com rapidez as informações sensoriais visuais, vestibulares, e proprioceptivas em centros específicos localizados no tronco encefálico e cerebelo. Estes centros comandam os movimentos da cabeça, pescoço, coluna vertebral, pernas, braços, olhos, pés e todos os músculos do corpo, necessários para orientá-lo e mantê-lo em equilíbrio. Caso ocorra um conflito entre as informações recebidas pelo SNC, a perturbação do estado de equilíbrio passa a ser consciente, originando desequilíbrio corporal (GANANÇA; CAOVILLA, 1998). 

O sistema postural é regulado pelo sistema vestibular, visual, oclusão dental, receptores musculares, tendinosos e cutâneos. Os receptores especializados estão presentes nas estruturas articulares, tendões e músculos esqueléticos. Os receptores detectam alterações de tensão e posição das estruturas nas quais os receptores estão situados e transmitem a informação a outras partes do sistema nervoso. Como resultado, alterações de momento a momento no ângulo articular (posição articular), na velocidade do movimento articular, na quantidade da compressão ou tração articular, bem como as alterações no comprimento muscular e na força da contração muscular são transmitidos aos centros na medula espinhal e cérebro (SMITH, WEISS; LEHMKUHL, 1997). 

O controle postural humano é comparado a um pêndulo físico invertido suspenso sobre uma base e que oscila constantemente devido ao controle do equilíbrio e da postura (GAGEY; WEBER, 2000). O centro de gravidade do corpo humano não é um ponto fixo, ele depende da posição relativa dos diferentes segmentos e varia a cada instante. Estas oscilações, quando muito acentuadas, são decorrentes da dificuldade em manter os segmentos corporais alinhados entre si sobre a base de sustentação (DUARTE, 2000) 

O Controle neuromuscular consiste na ativação inconsciente da musculatura periarticular, visando à estabilização da articulação, em resposta a estímulos sensoriais. Em 1906, Sherrington descreveu propriocepção como informação aferente originando-se perifericamente e regulando o equilíbrio postural, estabilidade articular e várias sensações periféricas quanto ao posicionamento de extremidades. A propriocepção regula o controle neuromuscular atuando, portanto, na estabilidade articular funcional e protegendo as estruturas do joelho. As informações  proprioceptivas originam-se de mecanorreceptores localizados em músculos, articulações e tecidos cutâneos onde eventos mecânicos são transformados em sinais neurais.

O controle da postura em humanos consiste em um processo sofisticado que envolve a manutenção de varias articulações e grupamentos musculares em relação geométrica uns com os outros e com o ambiente. Neste processo, informações provenientes das estruturas sensoriais dos sistemas proprioceptivo, vestibular e visual (Figura 1) são utilizadas, tanto na detecção de variações da posição de segmentos corporais e das pistas do ambiente, quanto no ajuste fino dos movimentos da musculatura axial e proximal, com vistas à manutenção do equilíbrio (RODRIGUES et al., 2003).

A manutenção do equilíbrio corporal no meio ambiente é determinada por sistemas centrais e estruturas periféricas responsáveis pela execução motora. Estes receptores atuam de forma complexa, integrada, redundante e de maneira diferenciada para cada perturbação sobre o corpo processada nos núcleos vestibulares do tronco encefálico, sob a coordenação do cerebelo (EKMAN, 2000; ROTHWELL, 1994). O equilíbrio estático é garantido quando a somatório de todos os torques e das forças vertical e horizontal atuantes no corpo é igual à zero (FRONTERA; DAWSON; SLOVICK, 2001). Quando uma dessas condições não é satisfeita, o equilíbrio estático deixa de existir. Se a postura bípede do homem for correta, ocorrerá um mínimo de estresse nas articulações e mínima atividade muscular será necessária para manter esta posição (COMELLI; MIRANDA, 2007).

Para um efetivo controle postural, informações sensoriais são captadas basicamente por três canais: somatossensorial, vestibular e visual. O sistema somatossensorial é abrangente com respeito à localização corporal. Neste sistema podemos incluir os receptores (sensíveis ao movimento, à vibração, ao toque, à pressão), fusos neuromusculares e órgãos tendinosos de Golgi (sensíveis ao comprimento e à tensão dos músculos). Neste caso, por exemplo, quando o indivíduo se apresenta na posição em pé, as informações captadas, incluindo a informação do contato dos pés com o chão, e referentes aos músculos e articulações, serão utilizadas pelo sistema de controle postural para que, integradas com as informações provindas de outros canais, permitam ao indivíduo permanecer estável ou se preparar para qualquer outra ação que possa ocorrer.

A morfologia do pé tem um papel importante na transmissão de forças geradas a partir do impacto no solo ao tornozelo, joelho e toda extremidade inferior e também a influência no eixo de rotação das articulações dos membros inferiores. Isto serve de embasamento para a investigação da relação do arco longitudinal medial do pé e a incidência de lesão nos membros inferiores, especialmente durante a prática esportiva (CÉSAR, 2007). Por exemplo, indivíduos com o arco plantar normal apresentam um melhor equilíbrio que os indivíduos com pés planos ou cavos (definidos na seção 2.10) (MIYASHIRO ;TANAKA, 2002).

Segundo Oliveira et al. (1998) é importante avaliar as disfunções do pé e tentar compreender as influências posturais sobre os mesmos ou vice-versa. Dessa forma, um exame que seja objetivo e quantitativo é imprescindível para analisar a pressão e a distribuição plantar, bem como mensurar e comparar as pressões em diferentes pontos da região plantar (tanto na posição em pé estática ou na marcha).

Para este fim, a baropodometria computadorizada é um método eficaz que consiste na avaliação da distribuição do apoio plantar. Este equipamento consiste em uma plataforma eletrônica de dimensões variadas, composta por sensores piezoelétricos, cujas informações são analisadas por um programa de computador. Os resultados fornecem dados quantitativos e qualitativos, possibilitando analisar as variações dos pontos de apoio a fim de se mensurar e comparar as pressões nos diferentes pontos dos pés (OLIVEIRA et al., 1998; GAGEY; WEBER, 2000; PRYZSIEZNY; FORMONTE; PRYZSIEZNY, 2003; MATTOS; PRYZSIEZNY, 2004)

Como a morfologia do pé e a distribuição da pressão plantar não podem ser observadas com precisão no podoscópio, a avaliação via baropodometria constitui o fundamento científico da eficácia de muitos procedimentos conservadores ou cirúrgicos das afecções dos pés e possibilita quantificar as pressões do pé direito, esquerdo, na parte anterior, posterior e no médio pé, modificação, hiperpressão e distribuição. O programa e o equipamento de baropodometria permitem fazer uma análise inicial e acompanhar as evoluções clínicas (NABERES, 1994; WOODEN, 1996;CHAMLIAN, 1999).

Através de sensores de pressão de alta sensibilidade, tanto se pode medir a distribuição de pressão durante o ortostatismo, quanto ou na marcha, corridas e saltos, fornecendo dados quantitativos e qualitativos. Qualitativos, pela imagem da morfologia do passo ou distribuições das pressões da estática no retro, médio e ante-pé e também pelo deslocamento do centro de força. Quantitativos através de registro numérico dos valores dos picos das pressões plantares, da velocidade de oscilação corporal e do deslocamento radial da oscilação (estabilometria), tanto na postura estática quanto na dinâmica da marcha (OLIVEIRA et al., 1998).

Propõe-se neste trabalho o estudo de indivíduos praticantes de esportes (jogadores de futebol) e com lesões nos joelhos decorrentes da pratica do esporte através da plataforma de baropodometria para mapeamento da morfologia dos pés e a determinação do grau de influência do apoio dos pés ao chão nas referidas lesões.

BAIXE O ARTIGO COMPLETO: